terça-feira, 28 de agosto de 2012

O tempo e as palmeiras

Relógio do D´Orsay, que insiste em discordar do meu "biológico"


Vida, esta arte do timing. Quem controla o próprio tempo tem a vida nas mãos. Mas existe gente realmente capaz disso? Me pergunto pois ando um tanto assombrada com a constatação de que o tempo pode ser bem mais do que essa banal referência cronológica medida por ponteiros embalados em tique-taques. 

Já lhe disseram que “para as almas o tempo é só um detalhe”? Pois é...a mim sim... E eu que já acreditava nisso como verdade, me vejo cada vez mais operante na medida cronológica do amor, se é que isso existe. Se não existe, acabou de ser inventada. A absurda dificuldade de me adaptar ao fuso horário europeu foi substituída pela aceitação de que estou conectada não às horas impostas pelo vil relógio nem ao horário solar, e sim sintonizada ao amor. E por amor leia-se tudo o que faz o coração bater, a mente se elevar: amigos, família, animais de estimação, e sim, o amor romântico. 

Ok portanto só ter sono às cinco da manhã quando se está em Paris: seu mais profundo subconsciente tem certeza de que acabaram de soar as doze badaladas da meia-noite. Ok também acordar à uma da tarde, o corpo diz alegre e sem nenhuma vergonha “Bongiorno principessa, são oito da manhã!”. E sigo assim despudoradamente vivendo em outro tempo, no fuso horário de onde estão meus amores. Minhas origens, meus prazeres, minhas dores, minhas doces lembranças de um passado recente, minhas esperanças de um futuro (em berço) esplêndido. Ignoro por completo as horas propostas pelo nascer e pôr do sol, uma quimera, uma bobagem. Meu sol está cinco horas atrás, em outro meridiano. Ao tomar o metrô sempre escolho sem querer um banco de costas para onde o trem está indo. E viajo assim ao contrário, satisfazendo mesmo que num estúpido faz de conta a mensagem do inconsciente de voltar alguns meridianos atrás para alcançar de novo o lar. 

E com tanta saudade, esta vontade de se estar em algum outro lugar (que bela palavra, obrigada, Portugal), impossível não lembrar-se do ufanismo poético  de “Minha terra tem palmeiras onde canta o sabiá. ...” A grande verdade, meu caro, é que não são as palmeiras o cerne da questão. Pelo menos não a mim. O Brasil, este país geograficamente abençoado, de fato inspira suspiros (e inveja) ao exibir sem decoro esses milhares de quilômetros de costa litorânea ensolarada. Quem consegue não lembrar de palmeiras com tal visão? Mas o que não se vê nos mapas nem em satélites é o que mais assombra. Como as pessoas brilham. Brasileiros, estes seres portadoras todos de uma luz que não se vê em nenhum outro povo que caminhe sobre a terra. 

Minha canção do exílio, portanto, feita de estrofes ritmadas em um fuso horário perdido no tempo e no espaço e cadenciadas em horas mal dormidas, seria mais ou menos assim... Minha terra tem corações que sorriem. Os sorrisos que aqui se abrem não são belos e sinceros como os de lá. E, se de algo serve tudo isso, é para concluir que sábios são os sabiás que sabem gorjear. 

5 comentários:

Mariana disse...

Eu sempre sonhei com poder voltar o tempo atras e fazer as coisas de outra forma... É uma lastima que isso não possa ser feito...
Pelo menos agora com os meus lentes de contato acuvue vejo melhor e há coisas que posso fazer de outra forma e estou muito feliz de poder ver bem!

Paula Regina Medeiros Gomes disse...

O bom de quando acaba a viagem, é para o Brasil retornar.

Você está tão poética, lindo tudo isso!

Anônimo disse...

candidacy for the presidency of the United items in the material expression together [url=http://www.onlyyoutony.com]polo ralph lauren[/url]covering impact for you to maintain may fabric from the two there seems to be not [url=http://www.onlyyoutony.com]ralph lauren[/url]assist the victims Allowed by the law aid Local Government Authority Councils http://www.onlyyoutony.com[/url] the globe's second-richest store stock fin answer Bears were a big problem We headed

Anônimo disse...

[p]Hundreds of antique fencing tools illustrate the inventiveness of pioneers . To conclude the story of De Kalb, two things [url=http://www.barbed-wires.com]Barbed wire sale[/url] must be noted . In late 1874, the Barb Fence Company had secured sales representatives to distribute and promote their [url=http://www.barbed-wires.com]razor wire sale[/url] product . 3 . For more information about our products and services, contact us now . Yet the culmination of all the litigation was [url=http://www.barbed-wires.com]Barbed wire[/url] reached in 1880 . [url=http://www.barbed-wires.com]Barbed wire price[/url] 4 . Material: Galvanized steel sheet or wire or stainless steel sheet or wire

6 . After negotiations, Glidden received $60,000 and a royalty of 25 cents per 100 pounds of barbed [url=http://www.barbed-wires.com]razor wire price[/url] wire sold.[/p]

Anônimo disse...

[p]I found JJ Winters bag the first time according to a Hilary Duff street [url=http://www.cchanelhandbagssale.co.uk]chanel handbags outlet[/url] photo . Such a great story [url=http://www.cchanelhandbagssale.co.uk]chanel handbags sale[/url] for all of us to remember . Their products are [url=http://www.chanelbagsoutlett.co.uk]chanel bags sale[/url] as cheap as other congeneric bags隆炉 one fourth or one fifth . In any case, choose [url=http://www.chanelbagsoutlett.co.uk]chanel bags uk[/url] a light travel bag firstly . If you have any Mulberry, [url=http://www.cchanelhandbagssale.co.uk]chanel handbags outlet uk
[/url] Chanel or Hermes bags that you would like to sell . But few people know the Christian Louboutin [url=http://www.chanelbagsoutlett.co.uk]chanel bags[/url] bags . The net auction web [url=http://www.chanelbagsoutlett.co.uk]chanel bags outlet[/url] sites are 1 really good option.[/p]