quarta-feira, 15 de agosto de 2012

O estilo das parisienses



Existe toda uma mítica sobre a elegância das mulheres parisienses, coisa que estando em loco é possível reparar que não se trata de lenda, e sim de uma realidade, porém muito mais palpável e acessível do que se imagina. A começar pelo cuidado com o corpo. 

Como bem disse Karl Lagerfeld: “Elegance is a physical quality. If a woman doesn't have it naked, she'll never have it clothed.”  Frase muito propícia às francesas, que, desnecessário dizer, são magras. Não chegam a ser anoréxicas, mas nada têm em excesso. Isso se deve não apenas à cultura alimentar, que tem verdadeiro pavor de junk food e tranqueiras express, mas também ao estilo de vida: os prédios de até seis andares sem elevadores, o hábito e necessidade de muito se caminhar pela cidade...

O conceito de elegância aqui caminha junto com conforto. Um salto 15 pode ser sexy, mas se a dama anda cambaleante e trôpega como se equilibrando-se em um andaime em movimento (fenômeno muito visto em Londres, apenas mais um pequeno dado que aumenta o completo desinteresse e desprezo dos gauleses pelos britânicos), o potencialmente belo vira ridículo. E com isso eles são críticos. Extremamente críticos. Aqui ter o mínimo de classe para comer, caminhar, falar, conversar, não é apenas opção, é obrigação. As madames e mademoiselles que usam salto marcham rapidamente como se descalças estivessem, tamanha a desenvoltura que tem em caminhar na ponta dos pés, verdadeiras primeiras bailarinas do Opera.

Com relação às compras, quantidade não é mérito algum. O que importa é qualidade, durabilidade e beleza de uma peça. Ao invés de dez sapatilhas Made in China, cada uma de uma cor, de 20 euros (que sim, existem aos montes por aqui), as verdadeiras parisienses preferem esperar, economizar, e arrematar apenas uma, de cor neutra, preta ou nude, da Repetto, por 200 euros. Por que sabem que a maison é uma garantia. Que se o solado soltar ela tem a quem reclamar, se o laço se desprender, ela tem quem conserte. E de graça, pois as tradicionais casas de moda ou de calçados (como é o caso da centenária Repetto) tem extrema preocupação em manter seus clientes satisfeitos para os cultivarem fiéis à marca e preservarem suas reputações de qualidade e bom atendimento. O mesmo vale para bolsas e roupas de modo geral. Aqui a grande maioria das residências tem espaço limitado, portanto, não há sentido (nem closet suficiente) para quinze escarpins, vinte sapatilhas, oito botas, dezessete camisas de seda, trinta e nove calças jeans... Simplesmente não. O guarda-roupa é reduzido ao seu mínimo indispensável com pequenos lapsos de indulgência, em geral nos acessórios. E é aí, exatamente aí, que a elegância aparece: nos básicos fundamentais, com toques mínimos de charme. 

A francesa sabe o valor dos clássicos e o que lhe cai bem, portanto não adere a modismos e tendências bizarras. As saias mullet, por exemplo, encalham nas araras de todas as lojas, nem mesmo na liquidação são vendidas. “Porque essa coisa assimétrica horrorosa que não valoriza meu corpo se uma saia lápis ou godê é tão mais feminina, atraente e atemporal?”, devem pensar. 

Por portarem só neutros, básicos com raras interferências, estão sempre prontas e não sofrem da dúvida do que o "orna" com o quê, drama tão comum entre as latinas. A ilustradora e top blogueira Garance Doré definiu com perfeição: "A parisian girl doesn´t take hours to get ready. She´s always to the point". E perfumadas. Algumas até sem muita noção do clima, usam adocicados e amadeirados neste verão cruel que tem feito, mas de toda maneira, um dado interessante: usam o perfume como um acessório de moda. Sempre. 



Mas como atingir esse clímax de praticidade e elegância do vestir parisiense? Primeiro de tudo: desapego à quantidade e variedade. Foco no que realmente é essencial, no que será usado com frequência e das mais variadas formas. Tentando entrar nessa onda, me propus um exercício que é sempre interessante (e difícil) quando o assunto é moda: fazer uma boa mala. Se você pretende vir à Paris em breve, essa listinha será de grande ajuda, eu garanto. 

Voilá, portanto, o guarda-roupa básico de uma verdadeira parisiense:

- Calça skinny jeans
- Calça skinny preta
- Camisa branca
- Camisa jeans
- Camiseta mariniére (listrada estilo navy)
- 1 Camiseta branca, 1 camiseta preta
- Saia preta média (lápis ou plissada godê)
- Saia preta longa
- 2 blusinhas leves de seda para noite
- 2 vestidos de noite
- 1 vestido preto (o universal LBD, little black dress)
- 2 vestidos florais ou estampados para o verão
- 1 blazer preto, 1 blazer nude/camelo/bege
- 1 cardigan preto, 1 cardigan nude/camelo/bege
- 1 escarpin preto e 1 escarpin nude
- 1 sapatilha preta, 1 sapatilha nude
- 1 bolsa preta, 1 bolsa nude
-Para o inverno (longe de ser o caso no momento):
um casaco pesado preto, (só para a sobrevivência nas ruas, já que em todas as casas e estabelecimentos há calefação) e uma boa bota preta.

E com isso dá pra fazer variações mil, looks sempre diferentes e charmosos!

Acessórios são daqueles que não se trocam com frequência, sempre os mesmos, por isso devem ser leves, discretos e de metal nobre: brinco de pérolas, colar de ouro delicado com pingente idem, anéis finos e pequenos. Dois cintos e dois lenços ou echarpes, para o cabelo, pescoço ou mesmo para amarrar na bolsa e pronto, já deu cor e estilo ao visual. 

Ah, se eu soubesse (ou me lembrasse, na verdade) disso antes de ter feito minha mala... 

8 comentários:

Ariane disse...

Interessante e bem escrito, além de útil...vou seguir à risca em minha próxima viagem a Paris!

Lili Carneiro disse...

Adorei!!!

Mário Araujo disse...

Perfeito!!!!<3 <3 <3

Anônimo disse...

Muito interessante a matéria.Os comentários são muito úteis.De leitura muito agradável o texto é um deleite. Para minha próxima viagem à Paris vou seguir o conselho sobre focar no essencial para fazer uma mala prática e elegante!

Adriana Costa Koerich disse...

Amei seu blog e este texto em especial está excelente em todos os sentidos. Parabéns!

Juliana Cunha disse...

Eu invejo super as francesas! Menos é mais, sempre. devorei o guia "A Parisiense" em uma tarde ;-)

Adriana Costa Koerich disse...

Oi Juliana! Me dê mais detalhes desse guia "A Parisiense".

Anônimo disse...

Amando os posts!!!!